Existem algumas pessoas que se iluminam e permanecem em silêncio. Outras pessoas se iluminam e falam a respeito. Essas se dividem em positivas e negativas. As negativas chamam de “vazio”: Shunya, o vazio, o nada, o não-ser, anatma. As positivas chamam de “o ser absoluto”, o BRAHMA, ATMA, supremo. Estas são as duas maneiras para descrevê-lo. Uma delas é positiva, a outra é negativa. Buda representa o olhar negativo, olhar para o fenômeno da iluminação, interpretou como vazio, enquanto Shiva tem uma ótica positiva. Através dos sutras de shiva que surgiu o Tantra, e a partir do Tantra, a Terapia Tântrica e o Tantra Yoga.

Isso acontece porque não dá para descrever com relatividades. Ou se descreve de forma inteira, e aí a pessoa vai colocar uma qualidade extrema, se permanece em silêncio a respeito do fato. Tudo ou nada – eles parecem opostos, só que dizem a mesma coisa. Tudo e nada são a mesma coisa, ninguém entende, porque nos dicionários eles são opostos, mas na vida não são.

As diferenças estão nas relatividades. Isso porque se você disser “eu amo todos” ou se disser “eu amo ninguém”, as duas frases significam o mesmo. Os extremos acabam se tocando, como um fio de linha, ao fazer um circulo… Então você pode chamar o todo de nada, ou você pode chamar o nada de todo.

Buda e Shiva: como o oriente interpreta a origem da historia de Adão

Se você disser “Deus é vida” logo vai perceber que não há sentido, porque a vida depende da morte para existir. As religiões brigam com a lógica desde tempos. Se deus é onipotência, onipresença e onisciência, então ele precisa incluir tudo. Ele precisaria incluir a morte dentro dele tão inteiramente quanto tem a vida, caso contrário, a morte é de quem? E se a morte pertence a outro ser e somente a vida é de Deus – então existem dois deuses.

Eles não chamam qualquer coisa, porque tudo o que você chamar – se você chamá-lo de ser ou não-ser – no momento em que dar-lhe um nome, um termo, uma palavra, você ter errado, porque inclui tudo.

Se Deus não for o criador e o destruidor, e se você diz que Deus é o criador, então quem é o destruidor? Se você disser que Deus é bom, então quem será o mal? Devido a esta dificuldade, os cristãos, zoroastras, e muitas outras religiões criaram um lado Diabo ao lado de Deus, porque a quem vai ser o mal? Eles criaram um diabo.

Mas nada está resolvido – o problema só é empurrado um passo para trás, porque então ele pode ser relevante perguntou: “Quem criou o Diabo?” Se o próprio Deus cria o diabo, então ele é responsável. Mas se Deus não criou o Diabo, como Deus pode destruí-lo? É impossível. Teólogos ir em dar algumas respostas a uma pergunta, mas a resposta novamente cria mais perguntas.

As igrejas são contrárias à religião, porque religião é ser livre. Então o que passa? Jesus tenta falar de ser livre, tenta te dar asas. Assim, o que acontece depois, o que a igreja mostra? Ela surge porque Jesus vive num plano díspar de ser, em um plano de alma; aqueles que o ouvem, aqueles que o seguem, vivem no plano da mente, um plano de sono alto.

Julgam tudo o que ouvem; adivinham por meio de seus sonhos pessoais — e tudo o que eles criam é culpa. Cristo lhes oferece um meio de religar. E no curso de vida as pessoas que estão dormindo profundamente convertem isso em uma igreja.

Os Padres de Igreja e Satã

Conta-se que, certa vez, Satã, estava muito triste sentado sob uma árvore. Passou por ali um santo, olhou para Satã e disse: “Ouvi dizer que você não dorme nunca, que está sempre fazendo o mal em um lugar ou em outro. O que está fazendo aqui sentado sob uma árvore?”

Satã estava mesmo muito triste. Disse: “Parece que os padres assumiram a direção do meu trampo e eu não posso fazer nada — ninguém precisa mais de mim. Às vezes penso em me matar porque esses padres fazem a frente de tudo”.

Os padres andam muito bem porque mudam o ser livre em ser preso, mudam o ser livre em regras (ter que) — mudaram todas as coisas do plano da alma em coisas do plano do sono.

igreja
Fontes de culpa e medo

Assim, a fonte da palavra ‘pecado’ é estar fora de si. Não significa tentar algo ruim; esse signo simplesmente estar à parte, estar ausente. A raiz hebraica para a palavra ‘pecado’ significa estar ausente. Quando se está alerta, certas coisas são irreais.

Por isso, o signo do pecado: quando se está alerta, certas coisas não são viáveis — elas são pecados; estando alerta, somente certas coisas são possíveis — as ações de valor. Não existe nenhuma outra forma, nenhum outro jeito de definir. Você não pode se apaixonar se estiver alerta; a paixão é um pecado. Você pode amar, mas isso não será uma “queda” em paixão, será diferente, será como ficar melhor.

Os judeus e cristãos perderam muitas coisas bonitas porque tentaram forjar uma falsa harmonia. Há vinte séculos os padres e rabis se atraem pelo Demônio: “Como falar sobre isso?” Não é preciso, é muito simples, não há necessidade de explicações. Mas os padres e rabís cuidam de perto disso porque se o Demo existe, Deus deve tê-lo criado; caso contrário, como seria?

Se o Demônio existe, Deus deve ter permitido isso; senão, como existiria? E se Deus não pode destruí-lo torna-se frouxo, e então você não pode dizer que pode tudo. E se Deus criou o Demo sem saber que iria ser Demo, então Ele não sabe de tudo. Ele criou o Demo sem saber que isso faria crises em todo o mundo. Ele criou Adão sem saber que ele teria o fruto da Árvore! Como proibiu, então Deus não sabe de tudo. E se o Demo existe, então Deus não pode estar em tudo, pois quem então estaria presente no Demo? Portanto, Deus não pode estar em toda parte. Pelo menos não no coração do Demo. E se Ele está no coração do Demônio, por que então condenar o pobre Demo?

A árvore e o demônio na trama da vida

Existe uma trama — uma paz oculta. Deus proibiu Adão de comer só para tentá-lo: esta foi o primo tesão, porque sempre que se diz “não faça isso”, o tento vem. O Demo veio mais tarde — o primo tesão vem do próprio Deus. Se não fosse assim, se Adão fosse por si mesmo, seria quase irreal ele achar a Árvore da Noção do Bem e do Mal, pois tinham milhões de árvores no Jardim do Éden — quase irreal!

demônio
Mistérios ocultos do bem e do mal

Até hoje não achamos todas as árvores desta terra; muitas ainda estão ocultas, não deram com elas; há muitos tipos ainda para serem vistos. E esta terra não é nada — o Jardim do Éden era o jardim de Deus: milhões e milhões de plantas, sem fim. Adão e Eva, por si mesmos, jamais teriam visto — mas Deus os tentou. Veja bem: a tentação vem de Deus. E o Demo só é o outro lado do mesmo jogo. Deus tentou — “não coma!” — e de pronto todos notaram a Árvore, e assim surgiu o desejo.

Por que Deus proibiu? Deve haver algum motivo. Para Deus não é; Ele próprio come dessa Árvore; para nós — e assim a mente começou a jogar, e a partida começou. E então, como par na conspiração, vem o Demo, a serpente, e diz: “Comam! Porque se comerem, serão como deuses”. Este é o desejo mais forte da mente do homem: ser como deuses.

O Demônio usou o truque porque sabia da trama. Não se aproximou diretamente de Adão, fez através de Eva — porque se você quer tentar o homem, só pode fazê-lo através da mulher. Direto, não há tentação. A tentação veio através do sexo, e toda tentação vem pelo tino.

No ocidente, todos conhecem a história de Adão e Eva. Mas o que a maior parte das pessoas não sabe é que a primeira mulher que Deus criou não foi Eva. Foi Lilith — mas é crível que ela era fã da Ação Feminista. Ela criou problemas, porque disse: “Sou tão livre quanto você“. E no primeiro dia, quando foram dormir, começaram as rixas, pois tinham uma só casa, uma só cama. Quem iria dormir na cama e quem no chão? Lilith simplesmente disse: “Não! Você dorme no chão”. Foi assim que começou a Ação Feminista.

Adão não ouviu e Lilith desapareceu. Ela foi a Deus e disse: “Não vou jogar esse jogo”. E é assim que no Ocidente a mulher está sumindo — Lilith está desaparecendo — e com ela a beleza, a graça, e tudo o mais. Todo o jogo corre perigo pois existem mulheres que dizem: “Não ame um homem”.

Conflito, paz e Lilith a face oculta da lua

Lilith desapareceu, e por isso o jogo não podia continuar. Assim Deus teve de criar uma mulher. É por isso que Ele tentou dessa vez com um osso do próprio homem, pois uma mulher criada em separado traria os mesmos problemas. Assim, ele usou uma costela de Adão para criar a mulher.

lilith moon

Por isso há uma polaridade e também uma unidade. São dois mas pertencem ao mesmo tempo a um só corpo. Este é o significado: são dois, opostos, e ao mesmo tempo pertencem ao mesmo corpo, no fundo a raiz é a mesma; no fundo são um só corpo. É por isso que quando se encontram num abraço profundo e amoroso, tornam-se um só corpo; chegam ao estado em que Adão estava quando só; tornam-se um, fusão e diluídos.

Existem opostos para que haja o jogo, mas no fundo há uma união interna. As duas coisas são precisas para que o jogo siga: conflito e ainda assim paz. Se houver paz absoluta o jogo desaparecerá — com quem você iria jogar? E se houver conflito completo, se não houver nenhuma paz, então o jogo também sumirá.