Reflexao

Buda Shiva e Adão: interpretações da origem

Existem algumas pessoas que se iluminam e permanecem em silêncio. Outras pessoas se iluminam e falam a respeito. Essas se dividem em positivas e negativas. As negativas chamam de “vazio”: Shunya, o vazio, o nada, o não-ser, anatma. As positivas chamam de “o ser absoluto”, o BRAHMA, ATMA, supremo. Estas são as duas maneiras para descrevê-lo. Uma delas é positiva, a outra é negativa. Buda representa o olhar negativo, olhar para o fenômeno da iluminação, interpretou como vazio, enquanto Shiva tem uma ótica positiva. Através dos sutras de shiva que surgiu o Tantra, e a partir do Tantra, a Terapia Tântrica e o Tantra Yoga.

Isso acontece porque não dá para descrever com relatividades. Ou se descreve de forma inteira, e aí a pessoa vai colocar uma qualidade extrema, se permanece em silêncio a respeito do fato. Tudo ou nada – eles parecem opostos, só que dizem a mesma coisa. Tudo e nada são a mesma coisa, ninguém entende, porque nos dicionários eles são opostos, mas na vida não são.

As diferenças estão nas relatividades. Isso porque se você disser “eu amo todos” ou se disser “eu amo ninguém”, as duas frases significam o mesmo. Os extremos acabam se tocando, como um fio de linha, ao fazer um circulo… Então você pode chamar o todo de nada, ou você pode chamar o nada de todo.

Buda e Shiva: como o oriente interpreta a origem da historia de Adão

Se você disser “Deus é vida” logo vai perceber que não há sentido, porque a vida depende da morte para existir. As religiões brigam com a lógica desde tempos. Se deus é onipotência, onipresença e onisciência, então ele precisa incluir tudo. Ele precisaria incluir a morte dentro dele tão inteiramente quanto tem a vida, caso contrário, a morte é de quem? E se a morte pertence a outro ser e somente a vida é de Deus – então existem dois deuses.

Eles não chamam qualquer coisa, porque tudo o que você chamar – se você chamá-lo de ser ou não-ser – no momento em que dar-lhe um nome, um termo, uma palavra, você ter errado, porque inclui tudo.

Se Deus não for o criador e o destruidor, e se você diz que Deus é o criador, então quem é o destruidor? Se você disser que Deus é bom, então quem será o mal? Devido a esta dificuldade, os cristãos, zoroastras, e muitas outras religiões criaram um lado Diabo ao lado de Deus, porque a quem vai ser o mal? Eles criaram um diabo.

Mas nada está resolvido – o problema só é empurrado um passo para trás, porque então ele pode ser relevante perguntou: “Quem criou o Diabo?” Se o próprio Deus cria o diabo, então ele é responsável. Mas se Deus não criou o Diabo, como Deus pode destruí-lo? É impossível. Teólogos ir em dar algumas respostas a uma pergunta, mas a resposta novamente cria mais perguntas.

Deixe uma resposta