Tantra

Crenças e códigos internos e que o Tantra tem a ver?

Quando as crenças determinam o que se sente e o que se pensa

O passar dos anos vai trazendo a percepção de que existem condutas universais de afetividade, que não mudam. Tanto para quem busca expansão de consciência como para quem busca terapia, disfunções sexuais (Ex. diminuição de libido e problemas de desempenho sexual) podem estar relacionadas com crenças das mais diversas. Somente a terapia individual ajuda?

De fato, tenho notado que participar de grupos muitas vezes ajuda de forma mais efetiva muitas vezes do que a sessão individual. Nesse momento de incertezas, os grupos estão ocorrendo de forma bastante restrita, de qualquer forma, se permitir estar com pessoas que estão na mesma busca que você, é bastante enriquecedor.

Um grupo pode ter vários tamanhos e é interessante que se observe as “boas práticas”, com orientações, narrativas, dinâmicas meditativas, danças. Significa que um bom grupo não pode ser realizado com esses elementos? Não! A ideia do Tantra é trazer um sentimento de leela (que em sânscrito, significa brincadeira, jogo, diversão). Sem se perder de vista que o trabalho tem muita seriedade e atenção para com o ser e estar em si.

alívio da mente
Estar em um descampado, sem nada ao redor e acima, traz alívio à mente

Os estudos de neurolinguística comprovam que os seres humanos, a maior parte das espécies desse planeta, são seres sociais. E isso não significa negar qualificação técnica, pelo contrário: um ambiente efetivamente lúdico muitas vezes precisa estar amparado com os melhores artefatos técnicos. Tal qual um dos significados primordiais da palavra “Tantra”, que do sânscrito pode significar, “disciplina”, “técnica”, “método”.

Trabalhando com as crenças de Certo e o Errado sob o viés do Tantra

Normalmente, quando se trata de NeoTantra, as pessoas tendem a dizer que o Tantra não tem definição, porque ele é como se fosse a Matrix ou como se o Tantra simplesmente fosse. Um dos significados da palavra “Tantra” é “rede”, e nos termos mais abstratos, poderia levar alguém a perder uma objetividade com relação à concretudo de Tantra. Existem 7 escolas principais de Tantra. Dentro dessa gama de tradições, é possível encontrar referências muitas vezes contraditórias entre si. Tal qual o Yoga Sutra de Patañjali é importante para o Yoga (cuja raiz está no Tantra), o Vijñana Bhairava é um livro de sutras, com 112 técnicas ou métodos.

Muitas vezes, estar conectado com um grupo de Tantra Tradicional ou de NeoTantra, é fácil de identificar: quem está no NeoTantra normalmente diz que o “Tantra não nega nada”. Dentro da espiral de consciência, possivelmente as pessoas vão percebendo que “não negar nada” gera muitos problemas para a própria vida, até porque a trilha de expansão de consciência ou de terapia depende de uma variável fundamental: o tempo.

certo e errado tantra
A solução para aprendizagem está no errar e aprender o auto-perdão é importante no processo de crescimento

Não é à toa que as 112 técnicas do Vijñana Bhairava se encontram em tradições da mais variadas: do cristianismo católico aos sufis, do yoga à acumpuntura. Isso porque as 112 técnicas são eficazes para trazer a consciência o praticante ao momento presente. E depois do praticante estar no aqui e agora aí sim, o Tantra é, simplesmente porque o praticante já pode abandoná-lo, com o maior senso de presença possível. Porque são nesses estados de presença e autoconsciência que você vivenciará formas cada vez mais sutis de perceber e lidar com a realidade.

Teorias da Conspiração, a Ciência e o Tantra

Estamos vivendo no chamado mundo pós-moderno, e muitos estão vivenciando a liquidez tal qual Bauman. Nesse mundo, algumas pessoas vão tentar te vender pseudo-ciências. Uma dos 112 Sutras diz: “Cada qual é percebido através do conhecimento. O brilho no espaço, através do conhecimento. Observe e esteja em observação.” Nas tradições do Tantra que se utiliza luz que transforma a realidade”.

Então, um ponto fundamental, para quem segue a tradição Vijñana Bhairava: não se nega de nenhuma forma a ciência, o conhecimento. O Tantra propõe técnicas, e o conhecimento não nega o sentir, pelo contrário: o conhecimento transforma e ressignifica seus sentires ao longo do tempo.

A ciência em si constitui um grande diálogo, com um como fazer compartilhado. Então, se alguém publica um artigo científico, esse artigo pode ser experimentado por outras pessoas com um método científico. Os resultados da ciência dependem da “forma” como se faz. Em termos de vir ao momento presente, o Tantra é o como, a técnica e tecnologia. Essas 112 técnicas são propostas com base em perguntas. Uma delas: “Qual é a sua realidade”?

crenças nos levam a caminhos
Crenças nos levam a determinados caminhos

Hoje em dia, não é possível saber se as crenças conspiratórias estão alimentando ou sendo alimentadas por movimentos fundamentalistas religiosos. Talvez daqui 20 anos seja possível, com um distanciamento histórico chegar a alguma conclusão sobre esses momentos que vivemos; talvez seja preciso mais tempo. Isso porque, em ciência, causação não é o mesmo que correlação.

Nesse sentido, quando em um grupo, experiência e ou vivência tântrica o praticante se depara com suas próprias crenças e códigos, através de si mesmo ou do outro (espelho de si mesmo), um processo de catálise da mudança interna acontece. Na dimensão da sociologia e antropologia, os povos se distinguem através dos costumes e traços comportamentais.

“O Tempo e o Vento”

Assim, é o conjunto de hábitos ou crenças que definem uma comunidade ou uma nação. Quando há processos de mudanças sociais, há uma quantidade relevante de pessoas que vão resistir às mudanças.

É importante para quem começa a vivenciar o Tantra (seja individualmente, dupla ou em grupo) definir os critérios para selecionar a informação que se encontra na Internet. Compreender que a teoria e a prática estão relacionadas, mas que não adianta ficar lendo livros sobre natação, já que nada descreve tão bem experiência de cair na água e nadar, ou a experiência de andar de bicicleta. As experiências constituem conhecimento da realidade também. As 112 técnicas tem uma sistemática que você pode utilizar como quem utiliza um menu de um restaurante para aquele momento. O interessante da experiência vivencial é que ela te coloca em confronto com os próprios códigos, as próprias crenças.

Nesse sentido, o fundamental da aprendizagem é definido pelo próprio praticante, ainda que essa esse processo seja delimitado pelos limites daquela vivência específica. Uma vez que o observador parte da sua realidade e de seu ponto de vista, tendo em conta um contexto de vida do qual ele partiu, a experiência transforma e é transformada pelo conhecimento que se tem daquilo. No entanto, isso não significa que as práticas do Tantra são praticadas em consenso dentro das 7 tradições.

Fundamentalmente, trata de você ficar em paz com as suas decisões e deixar os outros em paz com as deles. A própria realidade vem de acordo com condições e valores pessoais, e tal conjunto de crenças podem ser compartilhadas, podem não ser. Então, quem passa por uma vivência de Tantra está percebe-se em um mesmo ambiente se importando pouco (ou menos) com a religião do outro. Cada grupo terá seus conteúdos específicos trabalhados. “Como estão os meus ventos internos, aqui e agora?”.

Categorias:Tantra, Terapia Tântrica

Marcado como:, , ,

Deixe uma resposta